Treino de força pode reduzir risco de morte prematura

Estudo publicado na “American Journal of Epidemiology”

08 novembro 2017
  |  Partilhar:
Um novo estudo indicou que o treino para ganhar força é tão importante como o treino aeróbico. 
 
Efetuado por uma equipa de investigadores liderada por Emmanuel Stamatakis da Faculdade de Sidney, Austrália, o estudo teve por base a análise de dados de um estudo que abarcava 80.306 adultos com 30 anos ou mais de idade. O objetivo era comparar os resultados em termos de mortalidade, resultantes da prática de diferentes tipos de exercício físico.
 
A equipa apurou que os participantes que faziam exercícios para ganhar força, como abdominais, apresentavam um risco de morte por todas as causas 23% inferior, percentagem que subiu para 31% na mortalidade associada com cancro.
 
“O estudo demonstra que o exercício que promove a força muscular poderá ser tão importante para a saúde como as atividades aeróbicas como correr e andar de bicicleta”, avançou Emmanuel Stamatakis.
 
Foi também verificado que os exercícios em que se emprega o próprio peso do corpo, sem equipamento específico, eram tão eficientes como os praticados no ginásio. “Quando as pessoas pensam em treino de força pensam logo em levantar pesos num ginásio, mas não tem que ser esse o caso”, disse o investigador principal do estudo.
 
Embora este estudo seja de natureza observacional, os investigadores procuraram garantir consistência nos achados pois tiveram em consideração vários fatores como o sexo, idade, estado geral de saúde, habilitações académicas e outros.
 
A Organização Mundial de Saúde recomenda que os adultos pratiquem 150 minutos semanais de atividades aeróbicas e exercícios de fortalecimento muscular duas vezes por semana. 
 
Foram excluídos da análise os participantes que tinham recebido anteriormente um diagnóstico de doença cardiovascular ou cancro, assim como indivíduos que morreram durante os primeiros dois anos do estudo.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A.
Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar