O consumo moderado de álcool prolonga a vida nos mais velhos?

Estudo publicado na “Alcoholism: Clinical & Experimental Research”

10 julho 2019
  |  Partilhar:
Um estudo de grandes dimensões apurou uma associação entre o consumo moderado de bebidas alcoólicas numa idade mais avançada que poderá reduzir o risco de mortalidade, especialmente em mulheres.  
 
Conduzida por uma equipa de investigadores da Universidade de Columbia, Nova Iorque, EUA, a investigação teve por base a análise de um estudo sobre o envelhecimento nos EUA, conhecido como “The Health and Retirement Study”.
 
Para a sua análise, os investigadores liderados por Katherine Keyes, investigaram dados sobre os hábitos de consumo de bebidas alcoólicas, ao longo 16 anos de acompanhamento, de 7.904 adultos mais velhos. Os participantes tinham nascido entre 1931 e 1941, tendo sido recrutados em 1992.
 
Os investigadores recolheram informação sobre os hábitos de consumo de álcool e entrevistaram os participantes duas vezes por ano, desde o ano de recrutamento até 2014.
 
Em cada uma daquelas etapas os participantes foram divididos em cinco categorias, segundo os seus hábitos de consumo de bebidas alcoólicas: abstémio durante toda a vida, abstémio atual, consumidor pesado, consumidor moderado e consumidor ocasional.
 
Os abstémios durante toda a vida eram aqueles que tinham consumido 12 ou menos bebidas toda a vida. Os abstémios atuais tinham consumido álcool no passado, mas não durante o período do estudo, e os consumidores pesados do sexo masculino consumiam regularmente mais de três bebidas por dia, e os do sexo feminino mais de duas bebidas diárias.
 
O consumo pesado episódico de bebidas alcoólicas (“binge drinking”) foi definido como quatro ou mais bebidas num dia para as mulheres, e cinco ou mais para os homens, e foi considerado como sendo também consumo pesado.
 
As consumidoras moderadas consumiam uma a duas bebidas alcoólicas, uma ou duas vezes por semana e não participavam em consumos pesados episódicos de álcool; nos homens as quantidades aumentavam para três bebidas alcoólicas. Os consumidores ocasionais foram definidos como os mesmos consumos mas menos de uma vez por semana,.
 
Foi apurado que os consumidores de álcool moderados e ocasionais apresentavam índices de mortalidade mais baixos do que os abstémios. 
 
Os abstémios atuais eram os que apresentavam os maiores índices de mortalidade. Porém, argumentaram os investigadores, isto poderia ser devido ao facto de terem deixado de consumir álcool quando a sua saúde se tinham deteriorado. 
 
Finalmente, as mulheres que eram consumidoras moderadas e ocasionais apresentaram menos risco de morrer prematuramente do que os abstémios durante toda a vida.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A.
Partilhar:
Comentários 0 Comentar