Mitos comuns sobre o sono comprometem a sua qualidade e a saúde

Estudo publicado na “Sleep Health”

18 abril 2019
  |  Partilhar:
Os mitos existentes à volta do sono podem afetar a qualidade do mesmo e consequentemente a saúde, indicou um novo estudo.
 
Muitas pessoas dizem que ficam bem com cinco horas diárias ou menos de sono, consideram que ressonar não apresenta problemas e que consumir bebidas alcoólicas ajuda a adormecer.
 
Estes são mitos comuns que não só podem fazer-nos adotar maus hábitos, como também ameaçam a saúde pública de forma significativa, defendem os investigadores da Faculdade de Medicina da Universidade de Nova Iorque, EUA. 
 
Para o estudo, os investigadores liderados por Rebecca Robbins analisaram mais de 8.000 sítios na internet com o intuito de identificarem as 20 crenças mais comuns sobre o sono.
 
Com a ajuda de especialistas de medicina do sono, os investigadores classificaram essas crenças como sendo mitos ou factos, com base em evidência científica, assim como os possíveis efeitos negativos causados por cada mito.
 
Dizer que se ficava bem com apenas cinco horas de sono foi uma das crenças mais comuns e que foi invalidada pelos investigadores com base em evidência científica. Segundo a equipa, este mito é o mais grave para a saúde devido aos efeitos de longo termo causados pela privação de sono.
 
Rebecca Robbins concorda que efetivamente ressonar poderá ser inofensivo. Contudo, ressonar pode ser também um sintoma de apneia do sono, uma doença potencialmente perigosa que pode causar paragem cardíaca e outros problemas. Os autores recomendam consultar um médico em caso de se ressonar alto.
 
Relativamente à crença de que as bebidas alcoólicas ajudam a adormecer, observa-se o contrário. Quando consumidas antes de dormir, estas prejudicam o sono pois impedem que o organismo consiga um sono profundo, que é fundamental.
 
Para evitar os efeitos dos mitos identificados no estudo, os autores recomendam que se siga uma rotina de sono consistente e um sono de pelo menos sete horas por noite.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A.
Partilhar:
Comentários 0 Comentar