Luz azul à noite poderá fazer aumentar consumo de doces

Estudo apresentado no congresso da Sociedade para o Estudo de Comportamentos Ingestivos

11 julho 2019
  |  Partilhar:
A exposição, durante apenas uma hora à noite, à luz azul (a luz emitida pelos ecrãs de “smartphones”, “tablets” e outros dispositivos) fez aumentar os níveis de açúcar e de consumo do mesmo em ratos-macho, indicou um estudo.
 
Segundo os resultados de estudos anteriores, existe uma forte correlação entre a obesidade e os níveis de exposição à luz artificial à noite. 
 
Muita da luz artificial é atualmente derivada de luzes e ecrãs LED, os quais emitem níveis elevados de luz azul. As células da retina do olho são sensíveis a este tipo de luz, e enviam diretamente informação a áreas do cérebro que regulam o apetite. 
 
Liderado por Anayanci Masís-Vargas e colegas, da Universidade de Estrasburgo, França, e Universidade de Amsterdão, Holanda, o estudo contemplou a exposição de ratos-macho a luz azul durante o período noturno. Os ratos tinham sido manipulados para terem hábitos diurnos de forma a simular os humanos. 
 
Um dia após terem sido expostos a uma hora de luz azul durante o período da noite, os investigadores mediram o consumo alimentar dos animais e a sua tolerância à glicose. 
 
A equipa observou que bastou a exposição dos ratos a uma hora de luz azul à noite para os animais evidenciarem menor tolerância à glicose, que é um sinal de pré-diabetes.
 
Foi ainda observado que após a exposição àquele tipo de luz, os animais beberam mais água com açúcar naquela noite do que nas noites sem exposição a luz azul. 
 
Os investigadores concluíram que ficar exposto à luz à noite, especialmente à luz azul, é prejudicial e que o uso de ecrãs poderá aumentar a tendência de se consumir alimentos com açúcar e afetar a nossa capacidade de processar esse açúcar, especialmente no sexo masculino. 
 
Neste caso, os ratos foram testados apenas uma noite após a exposição; ao longo do tempo aqueles comportamentos poderão conduzir ao aumento de peso e diabetes. 
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A.
Partilhar:
Comentários 0 Comentar