Horas de sono irregulares podem prejudicar saúde nos adultos

Estudo publicado na revista “Scientific Reports”

25 setembro 2018
  |  Partilhar:
Já sabemos que dormir as horas de sono suficientes ajuda a mantermo-nos saudáveis e promove um melhor desempenho cognitivo. Uma equipa de investigadores descobriu agora que ter um horário de sono regular é igualmente muito importante. 
 
Num estudo conduzido por investigadores liderados por Jessica Lunsford-Avery, do Instituto de Investigação Clínica Duke, EUA, os horários regulares de sono foram associados a uma melhor saúde metabólica e cardíaca.
 
Para o estudo, os investigadores recrutaram 1.978 adultos, com idades entre os 54 e os 93 anos e que não tinham doenças relacionadas com o sono, como a apneia do sono.
 
A equipa monitorizou os horários de sono, com uma precisão de minutos, de forma a poder observar o efeito de pequenas alterações sobre a saúde dos voluntários. Foi ainda registada a duração do sono e horário preferencial para dormir.
 
De todas as medições empregues pelos investigadores, a regularidade foi a que melhor prognosticou o risco de doença metabólica e cardíaca nos participantes. 
 
Foi apurado que os participantes com padrões irregulares de sono pesavam mais, tinham tensão arterial e glicose no sangue mais elevados e apresentavam um risco mais elevado de sofrerem um ataque cardíaco ou acidente vascular cerebral no espaço de 10 anos, em relação aos que tinham um padrão regular de sono.
 
Em comparação com os participantes com horários regulares de sono, os voluntários com padrões irregulares apresentavam ainda uma maior propensão de terem depressão e stress, que são fatores que estão associados à saúde cardíaca. 
 
Os achados demostraram em suma, uma associação não-causal entre a regularidade do sono e a saúde metabólica e cardíaca. Os autores pretendem conduzir estudos mais alargados para determinarem o efeito da biologia sobre a regularidade do sono e vice-versa.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A. 
Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar