Fármaco para a tensão arterial associado a risco de doença intestinal

Estudo publicado na revista “Circulation”

10 julho 2019
  |  Partilhar:
Os bloqueadores dos canais de cálcio, que são fármacos para diminuir a tensão arterial, poderão fazer aumentar o risco de desenvolvimento de diverticulose do cólon, anunciou um estudo.
 
A diverticulose do cólon é uma doença em que são formadas bolsas (divertículos) na parede que reveste os intestinos. A doença afeta particularmente as pessoas de idade mais avançada.
 
O estudo liderado pelo Imperial College London, Reino Unido, teve como objetivo analisar a eficácia e efeitos secundários de três fármacos comuns usados para regular a tensão arterial: Inibidores da ECA (enzima conversora de angiotensina), betabloqueadores e bloqueadores dos canais de cálcio. 
 
A equipa empregou análises genéticas, tendo analisado versões genéticas que simulavam os efeitos dos fármacos em estudo, para assim observar os efeitos dos mesmos.
 
Numa primeira etapa, a equipa identificou as proteínas sobre as quais atuam os fármacos e que ajudam a baixar a tensão arterial. Posteriormente, foram analisados dados genéticos de cerca de 750 mil indivíduos e identificou-se as chamadas variantes genéticas que codificavam aquelas proteínas.
 
Seguidamente, os investigadores determinaram se as variantes genéticas identificadas (que causam uma maior produção daquelas proteínas) estavam associadas a um aumento ou redução do risco de outras doenças. 
 
As tais variantes genéticas, que codificavam as proteínas envolvidas na redução da tensão arterial, estavam associadas a um menor risco de doenças cardíacas e de acidente vascular cerebral (AVC).
 
Contudo, a equipa descobriu que as versões dos genes relacionadas com os efeitos de um tipo particular de bloqueador dos canais de cálcio – as não-dihidropiridinas – estavam associadas a um risco mais elevado de diverticulose do cólon. 
 
Não obstante os achados, os investigadores consideram que não se deve alterar as diretrizes atuais de prescrição.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A. 
Partilhar:
Comentários 0 Comentar