Doença rara que era mais comum em jovens é agora em idosos

Estudo do Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar da Universidade do Porto

03 agosto 2017
  |  Partilhar:
Investigadores do Porto concluíram que a doença autoimune ‘miastenia gravis’, que pode levar à paralisia de vários grupos musculares, e que era associada a mulheres e jovens, afeta hoje em dia maioritariamente homens acima dos 65 anos, apurou a agência Lusa.
 
Embora esta investigação não determine as causas que levam a esta mudança de paradigma, estudos realizados noutros países apontam os fatores ambientais e a toma de determinados medicamentos por parte da população idosa como possíveis causas, disse a investigadora Ernestina Santos, do Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar da Universidade do Porto (ICBAS), uma das entidades responsáveis pelo projeto.
 
A ‘miastenia gravis’ (MG) é uma doença rara, de causa desconhecida, que afeta, em Portugal, 288 idosos num milhão, com cerca de 22 novos casos por ano, e que pode levar à paralisia dos músculos dos movimentos dos olhos, da mastigação, da deglutição, dos movimentos dos membros e, em casos mais graves, dos músculos respiratórios.
 
De acordo com a investigadora, esta patologia, que tem tratamento quando diagnosticada, era mais comum nas mulheres e nos jovens. As conclusões deste estudo, no entanto, vieram demonstrar que o número de novos casos registados anualmente tem ocorrido, sobretudo, em doentes do sexo masculino, acima dos 65 anos, referiu.
 
Para a investigadora, estes resultados são de extrema importância para que se possa antecipar e contemplar o diagnóstico numa faixa etária que não era habitual, permitindo identificar e tratar os novos doentes idosos com esta patologia.
 
Durante o projeto, foram ainda estudados os fatores de suscetibilidade genética nos doentes com início da doença em idade jovem e nos de início tardio, tendo-se percebido que esses fatores diferem, embora o tratamento seja o mesmo para qualquer idade, através de medicação.
 
"A grande mensagem é que esta doença é mais frequente no idoso do que aquilo que se pensava e que se deve estar alerta para esse facto", referiu a também médica do Serviço de Neurologia do Centro Hospitalar do Porto, outra das instituições envolvidas na investigação.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A.
Partilhar:
Comentários 0 Comentar