Dieta anti-inflamatória associada a menor risco de morte precoce

Estudo publicado na “Journal of Internal Medicine”

17 setembro 2018
  |  Partilhar:
A aderência a uma dieta anti-inflamatória está associada a um risco menor de morte por qualquer causa, morte por doença cardiovascular e morte por cancro, apontou um estudo recente.
 
Conduzido por uma equipa de investigadores do Instituto Karolinska, Suécia, Universidade de Ciências da Vida de Varsóvia, Polónia e do Centro de Investigação do Cancro Fred Hutchinson, EUA, o estudo teve como base o seguimento de 68.273 adultos suecos, com idades entre os 45 e os 83 anos no início do mesmo, durante um período de 16 anos.
 
Os participantes foram avaliados relativamente à sua aderência a uma dieta anti-inflamatória, com base em 11 alimentos potencialmente anti-inflamatórios e cinco potencialmente inflamatórios.
 
Os alimentos potencialmente anti-inflamatórios consistem em fruta e produtos hortícolas, cereais de pequeno-almoço, pão integral, queijo magro, azeite, óleo de colza, chocolate, frutos de casca rija, chá, café e quantidades moderadas de vinho tinto e cerveja. 
 
Por outro lado, os alimentos potencialmente inflamatórios incluem as carnes vermelhas não-processadas e processadas, carnes provenientes de órgãos, batatas fritas e refrigerantes. 
 
No decorrer do período de acompanhamento, foi verificado que os participantes que tinham seguido com maior rigor a dieta anti-inflamatória apresentavam um risco 18% menor de mortalidade por todas as causas, 20% menor de morte por doenças cardiovasculares e 13% menor de morte devido a cancro, em comparação com os que tinham seguido aquele tipo de dieta com menor rigor.
 
Foram verificados benefícios ainda maiores nos fumadores que seguiam aquele tipo de dieta, em relação aos também fumadores, mas que não seguiam aquele tipo de alimentação. 
 
“A nossa análise dose-resposta demonstrou que mesmo uma aderência parcial à dieta anti-inflamatória poderá proporcionar um benefício para a saúde”, concluiu Joanna Kaluza, autora principal do estudo.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A.
Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar