Depressão pós-parto pode estar associada a sistema imunitário

Estudo apresentado no Congresso da Sociedade de Neurociências

09 novembro 2018
  |  Partilhar:
O sistema imunitário poderá estar envolvido no desenvolvimento da depressão pós-parto, após uma gravidez com stress, sugeriu um estudo.
 
Cerca de 15% das novas mães sofrem depressão pós-parto, o que a torna um problema relativamente comum. Contudo, “a depressão pós-parto está pouco estudada e, como resultado, continua a ser pouco percebida”, comentou Benedetta Leuner, investigadora que liderou o estudo, da Universidade do Estado de Ohio, EUA.
 
Os sintomas da depressão pós-parto podem incluir dificuldade em estabelecer laços com o bebé, exaustão, depressão prolongada e sentimento de desânimo.
 
Para o estudo, os investigadores debruçaram-se sobre o córtex pré-frontal medial do cérebro, que é uma região relacionada com o humor e que já tinha sido associada à depressão pós-parto. Para o efeito, puseram ratos fêmea sob stress durante a gravidez, de forma a simularem um fator de risco bem conhecido para a depressão pós-parto em mães humanas. 
 
Os investigadores observaram que, à semelhança do que sucede com as mães humanas com depressão pós-parto, os ratos submetidos a stress demonstraram menos atenção para com as crias e comportamentos típicos de ansiedade e depressão no decorrer de várias tarefas.
 
Relativamente a animais que não tinham sido submetidos a stress, os ratos stressados evidenciavam níveis mais elevados de marcadores inflamatórios no tecido cerebral. Os investigadores descobriram ainda que o stress poderá produzir alterações na função das micróglias, que são células imunitárias do cérebro. 
 
“Foi especialmente interessante não termos encontrado indícios de aumento de inflamação no sangue, mas encontrámo-los nesta área do cérebro que é importante para a regulação do humor. Estamos muito satisfeitos porque isto sugere que a inflamação no cérebro poderá ser um potencial contribuidor para a depressão pós-parto”, comentou Kathryn Lenz, coautora do estudo.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A. 
Partilhar:
Comentários 0 Comentar