Consumir mais proteína protege as mulheres contra fibrilhação auricular

Estudo publicado na revista “Journal of the American College of Cardiology”

26 março 2020
  |  Partilhar:
Investigadores norte-americanos realizaram um estudo que revela que as mulheres que consomem mais proteína do que o recomendado têm menos probabilidade de sofrerem de fibrilhação auricular.
 
A fibrilhação auricular é um problema cardíaco caracterizado por perturbações no ritmo cardíaco que podem levar a insuficiência cardíaca e AVC.
 
A proteína é importante na dieta das mulheres à medida que envelhecem pois ajuda a prevenir fragilidade e perda de massa óssea e muscular. A recomendação de consumo de proteína no R.U. é de 0,75 gramas por kilo de peso corporal, por dia. Nos EUA é de 0,8 gramas.
 
Para esta investigação sobre os efeitos cardiovasculares da proteína, foram analisadas quase 100.000 mulheres norte-americanas na pós-menopausa, com média de idades de 64 anos.
 
Foi observado que 21,3% das mulheres analisadas (21.258) desenvolveram fibrilhação auricular durante os 10 anos de acompanhamento do estudo.
 
Os resultados mostraram que a média de consumo de proteína diário era de 60 gramas e que as mulheres que consumiam 58-74 gramas tinham significativamente menos risco de desenvolver o problema, mesmo depois de ajustados fatores de risco como IMC, atividade física, consumo de álcool e tabaco, diabetes, pressão alta e colesterol alto.
 
As mulheres que consumiam 58-74 gramas diários revelaram ter menos 5-8% de probabilidade de ter fibrilhação auricular. Contudo, notou-se um limite no benefício, sendo que um consumo desmedido não significava uma maior proteção.
 
Em comparação com o recomendado pelas autoridades de saúde, a quantidade de proteína que oferece maior benefício equivale apenas a mais 10-20 gramas por dia, o que corresponde ao consumo de mais um iogurte grego ou de dois ovos.
Este estudo revela que a proteína não só ajuda a proteger as mulheres fisicamente ao longo do envelhecimento, como protege o sistema cardiovascular.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A. 
Partilhar:
Comentários 0 Comentar