Causa de algumas doenças autoimunes foi identificada

Estudo publicado na revista “Nature Immunology”

29 dezembro 2016
  |  Partilhar:
Investigadores japoneses identificaram um novo mecanismo molecular que pode explicar a causa das doenças autoimunes, atesta um estudo publicado na revista “Nature Immunology”.
 
Apesar de o sistema imunológico desempenhar um papel crucial na proteção do organismo contra infeções e doenças, a sua ativação prolongada pode danificar os tecidos saudáveis. Após a sua ativação, o sistema imunitário é “desligado” por células imunológicas especializadas conhecidas como linfócitos T reguladores ou linfócitos Treg. 
 
A comunidade científica acredita que a compreensão do desenvolvimento dos linfócitos Treg é muito importante no âmbito das doenças autoimunes. Shimon Sakaguchi, um dos autores do estudo, referiu, em comunicado de imprensa, que o desenvolvimento dos linfócitos Treg no timo depende da formação de “super-potenciadores”.
 
A formação destes super-potenciadores permite a expressão de genes específicos do desenvolvimento dos linfócitos Treg. Os super-potenciadores parecem ser um requisito para o desenvolvimento deste tipo de linfócitos, assim neste estudo os investigadores da Universidade de Osaka, no Japão, decidiram identificar moléculas com capacidade de controlar os super-potenciadores.
 
O estudo apurou que a proteína Satb1 regula os super-potenciadores essenciais para o desenvolvimento dos linfócitos Treg. Ao analisarem a via de desenvolvimento deste tipo de linfócitos, os investigadores constataram que o nível da Satb1 era mais elevado antes do desenvolvimento dos linfócitos Treg e diminuía após o seu desenvolvimento. 
 
Experiências posteriores demonstraram que a Satb1 liga-se a super-potenciadores envolvidos no desenvolvimento dos linfócitos Treg, mas apenas nas células progenitoras que se diferenciam nas células Treg e não nas próprias células Treg. Assim, ao que parece, a Satb1 parece regular as alterações epigenéticas que precedem a produção dos linfócitos Treg.
 
O estudo sugere que a Satb1 é necessária para a diferenciação dos linfócitos Treg, mas não para a sua manutenção. 
 
De facto, os investigadores verificaram que nos ratinhos que não expressavam esta proteína, o desenvolvimento dos linfócitos ficava afetado e apresentavam sintomas de doença autoimune. Adicionalmente verificou-se que as células progenitoras destes animais apresentavam uma menor expressão de genes necessários para o desenvolvimento dos linfócitos Treg. 
 
Assim com base nestes resultados, Shimon Sakaguchi, um dos autores do estudo, sugere que a formação defeituosa de super-potenciadores dependentes da Satb1 podem ser a causa das doenças autoimunes e das alergias.
 
O investigador conclui que as doenças autoimunes são resultantes de sistemas imunitários hiperativos, devido nomeadamente ao facto de existirem poucos linfócitos Treg. Desta forma, um melhor conhecimento de como este processo ocorre é um passo importante para o tratamento das doenças autoimunes.
 
ALERT Life Sciences Computing
Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar