Cancro da próstata resistente à castração: descoberta forma de travar avanço

Estudo publicado na revista “Molecular Cancer Research”

23 maio 2019
  |  Partilhar:
Uma equipa de investigadores descobriu que o bloqueio de uma proteína específica poderá evitar a progressão do cancro da próstata resistente à castração (CPRC).
 
O CPRC é uma forma de cancro da próstata altamente agressiva que muitas vezes conduz ao desenvolvimento de metástases fatais. Normalmente, este tipo de carcinoma recebe um tratamento para interferir com a sinalização do recetor de androgénio (RA). 
 
Embora seja um tratamento eficaz durante dois ou três anos, o carcinoma acaba por desenvolver resistência, acabando inevitavelmente por falhar.
 
Os investigadores da Faculdade de Medicina da Universidade de Boston, EUA, andavam a analisar, desde longa data, um grupo de três proteínas estreitamente relacionadas. Conhecidas como proteínas bromodomínio BET, regulam a expressão genética e incluem a BRD2, BRD3 e a BRD4.
 
A equipa descobriu que se inibissem a proteína BRD4, mas não a BRD2 ou a BRD3, tornava-se possível regular, de forma consistente, a migração e invasão celular no cancro da próstata.
 
“Os nossos achados são significativos porque as opções terapêuticas atuais para a CPRC são limitadas e concentram-se primeiramente na supressão das células dos tumores da próstata que dependem da sinalização do RA”, explicou Jordan Shafran, primeiro autor do estudo. 
 
O CPRC constitui uma doença heterogénea e complexa, com estados e padrões de expressão do RA variáveis, em células tumorais diferentes. Com a progressão da doença, as células tumorais da próstata tornam-se menos dependentes da sinalização do RA e adotam mecanismos de sinalização alternativos para sustentarem o seu crescimento e disseminação.
 
“Sendo assim, é imperativo identificar alvos “medicamentáveis”que regulem a migração e invasão das células do cancro da próstata em células que sejam dependentes ou independentes da sinalização do recetor de androgénio”, acrescentou o investigador.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A. 
Partilhar:
Comentários 0 Comentar