Boa forma física e aorta saudável essenciais para atrasar envelhecimento cerebral

Estudo publicado na “Journal of Alzheimer's Disease”

15 junho 2018
  |  Partilhar:
Um estudo recente revelou que possuir uma boa forma física e menos rigidez nas artérias centrais são chave para desacelerar o envelhecimento cerebral.
 
Conduzido por investigadores liderados por Greg Kennedy do Centro de Psicofarmacologia Humana de Swinburne, Austrália, o estudo procurou descobrir se a forma física esta associada a uma melhor cognição através de uma aorta mais saudável.
 
A equipa recrutou para o estudo 102 pessoas (73 mulheres e 29 homens) com 60 a 90 anos de idade, que viviam de forma independente em comunidades que prestavam cuidados a idosos em Melbourne. 
 
A forma física dos participantes foi avaliada através de um teste que consiste em caminharem durante seis minutos, para afrente e para trás, entre dois pontos distanciados 10 metros um do outro. Os participantes que não conseguiram completar os seis minutos foram excluídos da análise, que avaliou a rigidez arterial e desempenho cognitivo dos mesmos.
 
“As pessoas encontram-se geralmente menos em forma e possuem artérias mais rígidas à medida que envelhecem, o que parece explicar a diferença na capacidade de memória que é geralmente atribuída a ‘ficar velho’”, afirmou Greg Kennedy.
 
Como resultado, a forma física não aparentou afetar a rigidez das artérias centrais. No entanto, foi só avaliada a forma física presente; o autor explicou que a forma física a longo prazo poderá prognosticar melhor a rigidez arterial central, algo a analisar. 
 
“Os resultados deste estudo indicam que mantermo-nos o mais fisicamente em forma possível e monitorizar a saúde arterial poderá bem ser uma forma importante, eficaz em termos de custos para mantermos a nossa memória e outras funções cerebrais com idade mais avançada”, disse o investigador.
 
Greg Kennedy explicou ainda que uma aorta mais elástica e saudável protegerá a função cognitiva, através da redução dos efeitos negativos da tensão arterial excessiva no cérebro.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A.
Partilhar:
Comentários 0 Comentar