Baixa vitamina D ao nascer aumenta risco de hipertensão na infância

Estudo publicado na revista “Hypertension”

03 julho 2019
  |  Partilhar:
Um novo estudo sugeriu que as crianças que apresentam baixos índices de vitamina D, desde o nascimento até à pequena infância, poderão correr um maior risco de tensão arterial alta no fim da infância e adolescência.
 
Conduzido por investigadores da Faculdade de Saúde Pública da Universidade Johns Hopkins, EUA, o estudo teve como base o seguimento de 775 crianças do Centro Médico de Boston, também nos EUA, desde o nascimento até aos 18 anos de idade.
 
Foram considerados índices baixos de vitamina D os valores inferiores a 11 ng/ml (nanogramas por mililitro) no sangue do cordão umbilical na altura do nascimento, e inferiores a 25 ng/ml no sangue da criança durante a primeira infância. 
 
Os investigadores concluíram que em relação a crianças com níveis de vitamina D adequados, as crianças nascidas com índices baixos daquela vitamina apresentavam um risco cerca de 60% maior de tensão arterial sistólica alta entre os seis e os 18 anos de idade.  
 
Foi ainda observado que as crianças com níveis persistentemente baixos de vitamina D durante a primeira infância apresentavam o dobro do risco de tensão arterial sistólica alta entre os três e os 18 anos de idade.
 
A tensão arterial sistólica indica a pressão que o sangue exerce contra as paredes das artérias quando o coração bate. É o primeiro número ou o mais elevado numa medição da tensão arterial. 
 
Se a tensão arterial sistólica for elevada, o risco de doenças cardiovasculares aumenta, mesmo que a tensão arterial diastólica, referente ao segundo número que surge com a medição, esteja controlado. 
 
“Os nossos achados aumentam a possibilidade de o rastreio e tratamento da deficiência de vitamina D com a suplementação durante a gravidez e pequena infância poderem ser uma abordagem eficaz para reduzir a tensão arterial alta mais tarde na vida”, concluiu Guoying Wang, investigadora que liderou o estudo. 
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A. 
Partilhar:
Comentários 0 Comentar