Um tipo de célula cerebral poderá conduzir à Alzheimer

Estudo publicado na revista “Nature Neuroscience”

31 dezembro 2018
  |  Partilhar:
Um novo estudo proporcionou nova informação relativa à vulnerabilidade de um tipo de célula cerebral. 
 
Os investigadores Hongjun Fu, da Universidade do Estado de Ohio, Karen Duff, da Universidade de Columbia e Michele Vendruscolo, da Universidade de Cambridge, todas nos EUA, colideraram um estudo em que descobriram que os neurónios excitatórios são mais vulneráveis a acumulações anormais de proteína tau, a qual se acredita estar implicada na doença de Alzheimer. 
 
Os neurónios excitatórios são aqueles com maior propensão para desencadearem uma ação, ao contrário dos neurónios inibitórios, que são menos propensos a provocarem atividade neural.
 
Através da análise de cérebros de pacientes com Alzheimer e de um modelo animal, os investigadores descobriram que a proteína tau anormal acumulava-se maioritariamente nos neurónios excitatórios, em vez de nos inibitórios. 
 
Seguidamente, efetuaram análises genéticas a cérebros de dadores sem Alzheimer ou outras doenças neurológicas e identificaram diferenças genéticas significativas entre os neurónios excitatórios e outras células. Estas diferenças, segundo os autores, parecem explicar a suscetibilidade dos neurónios excitatórios. 
 
A equipa confirmou ainda que um gene regulador conhecido como BAG3 é responsável pela erradicação de proteína tau anormal. 
 
“Achamos que existe uma diferença realmente precoce, intrínseca nas células cerebrais suscetíveis à acumulação de proteína tau, o que pode explicar a razão pela qual certos neurónios e regiões do cérebro são vulneráveis a este problema com a Alzheimer inicial”, observou Hongjun Fu.
 
“Se conseguirmos descobrir os determinantes moleculares subjacentes à vulnerabilidade a esta doença, vai-nos ajudar a melhor compreender o desenvolvimento da doença de Alzheimer e potencialmente poderá conduzir a técnicas para a deteção precoce e tratamento direcionado”, concluiu.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A. 
Partilhar:
Comentários 0 Comentário