Quatro em 10 das mulheres com asma podem desenvolver DPOC

Estudo publicado na revista “Annals of the American Thoracic Society”

16 agosto 2018
  |  Partilhar:
Um estudo recente apurou que mais de 40% das mulheres asmáticas desenvolveram doença pulmonar obstrutiva crónica (DPOC).
 
Para o estudo, que foi conduzido por uma equipa de investigadores da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de Toronto, Canadá, foram recrutadas 4.051 mulheres com asma, que foram seguidas durante uma média de 14 anos após o diagnóstico da doença.
 
A equipa analisou fatores de risco para p desenvolvimento de asma e de síndrome de sobreposição asma-DPOC (ACOS, nas suas siglas em inglês).
 
Durante os 14 anos de acompanhamento, 1.701 mulheres, ou seja, 42%, desenvolveram DPOC. Foi apurado que as participantes que fumavam mais de um maço de cigarros por dia, durante cinco anos, apresentavam uma propensão muito maior de desenvolverem síndrome de sobreposição asma-DPOC do que as que fumavam menos ou eram não-fumadoras.
 
Não obstante, os investigadores descobriram que 38% das mulheres que tinham desenvolvido asma e síndrome de sobreposição asma-DPOC nunca tinham fumado. A obesidade, viver numa área rural, poucas habilitações académicas e desemprego foram outros fatores de risco apurados para a incidência das duas doenças.
 
Segundo os investigadores, estes fatores estarão associados a menos possibilidades financeiras, o que limita o acesso a cuidados clínicos para a asma, podendo causar mais crises de asma que por sua vez produzem alterações nas vias respiratórias, aumentando o risco de síndrome de sobreposição asma-DPOC.
 
“Estudos anteriores apuraram um aumento alarmante na ACOS em mulheres, nos últimos anos, e que a taxa de mortalidade por ACOS era maior nas mulheres do que nos homens, comentou Teresa To, autora do estudo
 
A autora considera necessário identificar e quantificar urgentemente os fatores de risco associados a ACOS em mulheres para salvar vidas e melhorar a saúde nas mesmas. Os investigadores acrescentaram que é possível modificar a maioria dos fatores de risco para a ACOS identificados neste estudo.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A. 
Partilhar:
Comentários 0 Comentário