Quanto maior a altura, maior é o risco de varizes

Estudo publicado na revista “Circulation”

26 setembro 2018
  |  Partilhar:
A altura de um indivíduo e determinados genes associados à altura estão associados à incidência de varizes indicou um estudo.
 
Os resultados do estudo, que foi conduzido por uma equipa de investigadores liderada por Nicholas Leeper, da Universidade de Stanford, EUA, poderão ajudar a perceber as causas e formas de prevenir e tratar a doença.
     
Através de dados recolhidos de um estudo de longa duração britânico, conhecido como UK Biobank, a equipa analisou os fatores de risco subjacentes à incidência de varizes em 413.519 participantes.
 
Adicionalmente, os investigadores procuraram ainda marcadores genéticos em 337.536 participantes, 9.577 dos quais apresentavam varizes. 
 
Como resultado, a equipa confirmou que os fatores de risco para o desenvolvimento de varizes já estabelecidos incluem a idade do paciente, o sexo, apresentar obesidade, historial de gravidez e historial de trombose venosa profunda.
 
Os investigadores apuraram ainda que as pessoas mais altas corriam um risco mais elevado de desenvolverem varizes e identificaram 30 genes relacionados com o desenvolvimento da doença. Finalmente, os investigadores detetaram uma forte correlação genética entre a trombose venosa profunda e o aparecimento de varizes.
 
O estudo confirmou também que ter tido cirurgia nas pernas, fumar, o historial familiar, a falta de movimento e receber terapia hormonal constituíam outros fatores de risco para as varizes. Contudo, a correlação entre a altura do paciente e a doença foi um achado inesperado para os investigadores. 
 
“Ao conduzir o maior estudo genético jamais realizado para a doença das varizes, temos agora um conhecimento muito melhor sobre a biologia que é alterada nas pessoas em risco da doença”, explicou Nicholas Leeper.  
 
“Finalmente, esperamos testar se podemos atuar sobre esses fatores de risco e potencialmente prevenir ou atrasar o desenvolvimento da doença nos indivíduos de risco”, concluiu o investigador.  
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A. 
Partilhar:
Comentários 0 Comentário