Portugueses entre os europeus com pior perceção do seu estado de saúde em 2016

Resultados de relatório da OCDE

26 novembro 2018
  |  Partilhar:
Portugal está entre os três países europeus em que a população tem uma pior perceção sobre o seu estado de saúde, segundo dados de 2016, divulgados num relatório da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE).
 
Segundo apurou a agência Lusa, o documento mostra que quase dois terços da população com mais 16 anos considerava em 2016 que a sua saúde estava “bem ou muito bem”.
 
Em Portugal, não chegava a metade a população que tinha uma boa perceção do seu estado de saúde, ficando-se nos 48%, 20 pontos percentuais abaixo da média dos 28 países da União Europeia (UE).
 
Só na Lituânia e na Letónia há menor proporção da população a considerar "bom ou muito bom" o seu estado de saúde.
 
Irlanda, Chipre, Holanda e Suécia surgem como os países com níveis mais elevados de cidadãos com boa perceção da sua saúde, rondando os 80%.
 
Portugal figura ainda como um dos quatro países em que maior percentagem de população reporta uma doença crónica, com mais de 40%, acima dos 33% de média da UE.
 
O relatório anual da OCDE sobre saúde, “Health at a Glance”, analisa ainda a evolução da despesa em saúde “per capita” e por relação com a riqueza produzida (PIB) em cada país.
 
Enquanto na maioria dos países da UE, houve um crescimento da despesa em saúde “per capita” entre 2013 e 2017, Portugal continuava em 2017 a registar valores inferiores aos registados em 2009, apesar de algum crescimento da despesa a partir de 2013.
 
O relatório traça ainda uma estimativa do crescimento dos gastos públicos em saúde por percentagem do PIB nos vários países.
 
Para Portugal, estima-se que até 2070 os gastos públicos com saúde aumentem dois pontos percentuais, passando de menos de 6% em 2016 para mais de 8%.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A.
Partilhar:
Comentários 0 Comentário