Os suplementos para aumentar a testosterona são eficazes?

Estudo publicado na revista “The World Journal of Men's Health”

02 julho 2019
  |  Partilhar:
Uma avaliação ao conteúdo de suplementos para aumentar testosterona e efeitos anunciados para os mesmos revelou uma eficácia muito limitada ou mesmo reduzida.  
 
Após os 30 anos de idade, os homens começam a sofrer uma diminuição gradual na testosterona, podendo consequentemente sofrer uma redução nas características consideradas como mais “masculinas”. Muitos homens recorrem a suplementos para aumentar a testosterona para tentarem reverter esse efeito.
 
O estudo que foi conduzido por investigadores liderados por Mary Samplaski, da Universidade da Califórnia do Sul, EUA, explorou os ingredientes ativos e efeitos anunciados de 50 suplementos de aumento de testosterona. 
 
A equipa pesquisou “aumento de testosterona” na internet, através do Google, e analisou os 50 primeiros suplementos obtidos pelo motor de pesquisa. 
 
Seguidamente, a equipa fez uma revisão a estudos científicos publicados sobre a testosterona e aos 109 componentes identificados nos suplementos. Os três mais comuns eram o zinco, o feno-grego e a vitamina B6.
 
A equipa comparou ainda os conteúdos de cada suplemento com o indicado pela Dose Diária Recomendada da agência Food and Drug Administration e o nível de consumo tolerável pelo Instituto de Medicina da Academia Nacional de Ciências, ambas norte-americanas.
 
Os suplementos anunciavam um total de 16 benefícios para os pacientes, incluindo o aumento da testosterona, da líbido sexual e produção de massa muscular.
 
Embora 90% dos suplementos anunciassem aumentar a testosterona, apenas 25% tinham dados para apoiar essa declaração. Outros ultrapassavam as doses toleráveis de vitaminas e minerais.
 
“Muitos suplementos no mercado contêm meramente vitaminas e minerais, mas não fazem nada para aumentar a testosterona”, concluiu Mary Samplaski. A autora recomenda que os homens com níveis baixos de testosterona consultem um médico ou nutricionista.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A. 
Partilhar:
Comentários 0 Comentário