Microbioma do colo do útero poderá promover lesões pré-cancerígenas de alto-grau

Estudo publicado na revista “mBio

22 fevereiro 2019
  |  Partilhar:
Um novo estudo apurou que a comunidade de bactérias existentes no colo do útero poderá promover lesões pré-cancerígenas de alto-grau.
 
99% dos casos de cancro do colo do útero são causadas por infeções do vírus do papiloma humano (HPV). Os investigadores que conduziram o estudo, da Universidade de Nabraska-Lincoln, EUA, não esperavam que esta influência do microbioma sobre as lesões pré-cancerígenas no colo do útero fosse tão pronunciada. 
 
Para o estudo, os investigadores liderados por Peter Angeletti, analisaram amostras de lesões no colo do útero de 144 mulheres da Tanzânia. Este país possui uma das taxas mais elevadas de morte, globalmente, devido àquele tipo de cancro.
 
Numa primeira fase, os investigadores compararam bactérias em amostras de mulheres com resultados negativos para o VIH com as de mulheres com VIH. Há estudos que indicam que a infeção por VIH faz aumentar o risco de infeção por HPV.
 
A equipa detetou uma maior variedade de taxóns (unidade de classificação) distintos nas amostras das mulheres com VIH do que nas sem VIH. Nas mulheres com VIH e com lesões no colo do útero, as de mais alto-grau apresentavam populações de bactérias mais diversificadas.
 
Os taxóns mais abundantes associados às lesões de mais alto-grau incluíam as bactérias Mycoplasmatales, Pseudomonadales e Staphylococcus. 
 
As bactérias da família das Mycoplasmatales apresentavam a correlação mais evidente com a severidade das lesões. Aquelas bactérias eram, com efeito, mais abundantes perante lesões de alto-grau e menos abundantes com lesões de grau inferior. As mesmas relações foram observadas tanto nas mulheres com VIH, como sem VIH.
 
Segundo Peter Angeletti, estes achados sugerem que as bactérias Mycoplasmatales poderão promover, particularmente, o desenvolvimento de lesões relacionadas com o HPV.
 
O investigador apontou que, se for determinado que as bactérias facilitam a evolução de lesões, por exemplo, poder-se-á fazer um pré-tratamento com antibióticos para prevenir o desenvolvimento de cancro.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A. 
Partilhar:
Comentários 0 Comentário