Mais de um terço dos portugueses pratica atividade física regular

Resultado do Inquérito Nacional de Saúde com Exame Físico

10 abril 2018
  |  Partilhar:
Mais de um terço dos portugueses pratica atividade física regular, com os homens a aderirem mais aos exercícios, segundo dados do Inquérito Nacional de Saúde com Exame Físico (INSEF), aos quais a agência Lusa teve acesso.
 
Realizado pelo Departamento de Epidemiologia do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge (INSA), o INSEF estudou 4.911 pessoas, na sua maioria em idade ativa (84,3% com idade entre os 25 e os 64 anos), cerca de dois terços dos quais (63,4%) “sem escolaridade ou com escolaridade inferior ao ensino secundário” e 11,2% desempregados.
 
O inquérito revelou que 2,3 milhões de portugueses (34,2%) praticam alguma atividade física regular, ou seja, pelo menos uma vez por semana e de forma a transpirar e a sentir cansaço.
 
Esta atividade é mais frequente nos homens (39,7%) e no grupo etário dos 25 aos 34 anos (47,1%). Logo a seguir surge a faixa etária dos 35 aos 44 anos (40,6%), dos 45 aos 54 anos (31,8%) e dos 55 aos 64 anos (28,1%). A atividade física é menor na faixa entre os 65 e os 74 anos (20,8%).
 
A região de Lisboa e Vale do Tejo é aquela onde se pratica mais atividade física regular (40,3%), seguindo-se o Algarve (39,9%), o Alentejo (34,2%), o Norte (30%) e o Centro (28%).
 
A atividade física regular é mais comum entre pessoas empregadas (38,4%) e entre quem completou o ensino superior (49,6%). 
 
Entre os que têm o ensino secundário, a prática de atividade física é seguida por 43,2% da população inquirida, sendo que 32,3% dos que têm o segundo ou terceiro ciclo fazem desporto. 
 
No grupo que não tem nenhuma escolaridade ou apenas o primeiro ciclo, a prática de atividade física regular abrange 18,8% da população.
 
O INSEF apoia as atividades nacionais e regionais de observação e monitorização do estado de saúde da população e avalia os programas de saúde e investigação em saúde pública.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A.
Partilhar:
Comentários 0 Comentário