Estereótipos sexuais podem causar relações sexuais não saudáveis

Estudo publicado na “Family Relations”

16 junho 2017
  |  Partilhar:
Um novo estudo sugere que as estudantes universitárias que acreditam nos papéis estereotipados de ambos os sexos, em que as mulheres são consideradas como subservientes, são mais suscetíveis de se envolverem numa relação sexual não saudável.
 
O estudo conduzido por uma equipa de investigadores liderada por Stacey Hust da Faculdade de Comunicação Edward R. Murrow da Universidade do Estado de Washington, EUA, demonstrou que a aceitação pelas jovens de tais estereótipos faz com que estas estejam mais sujeitas à negociação de consentimentos sexuais não saudáveis. 
 
Os investigadores descobriram ainda que a degradação das mulheres que é retratada pela música veiculada pelos media faz com que as mesmas sejam muito menos propensas a recusarem aproximações sexuais não desejadas.
 
A investigadora líder do estudo confirmou que “os nossos achados sugerem que a aceitação pelas estudantes universitárias dos retratos degradantes das mulheres nos media, como os que vemos nos videoclips de músicas populares como "I'm the One" de DJ Khaled, ou "Bon Appétit” de Katy Perry desempenham um papel nas relações sexuais da vida real”.
 
“O facto de se possuir crenças estereotipadas sobre a sexualidade e de se aprovar música que degrada as mulheres, poderá ser o reflexo de uma atitude mais abrangente em que os homens têm poder sobre as mulheres”, avançou Kathleen Boyce Rodgers, docente de Desenvolvimento Humano e segunda autora do estudo.
 
A investigadora adiantou ainda que “o nosso estudo sugere que os programas que utilizam os media para capacitar as mulheres de forma a rejeitarem os padrões sexuais tradicionais, pode criar uma sensibilização e estimular o diálogo sobre o consentimento, expectativas e estereótipos sexuais”.
 
Neste contexto, é referido o período passado na universidade como a altura ideal para encorajar a participação de estudantes em programas de prevenção de abusos sexuais devido à prevalência da experimentação sexual e o risco subsequente da vitimização e perpretação de abusos sexuais. 
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A.
Partilhar:
Comentários 0 Comentário